Classificação de Mallampati l Você sabe fazer a avaliação da via aérea?

É imperativo que a via aérea do paciente que será submetido a intubação traqueal eletiva seja rigorosamente avaliada. Algumas pistas importantes indicativas de uma possível via aérea difícil são fornecidas pelo exame físico e pela anamnese do paciente.

A classificação de Mallampati é frequentemente utilizada pelos anestesiologistas e pode ajudar na previsão de via aérea difícil. Com o paciente sentado, deve-se solicitar que o mesmo abra a boca e projete a língua toda para fora sem fonação. A não visualização de certas estruturas da faringe podem prever uma intubação difícil, porém a classificação de Mallampati é um melhor preditor quando associada aos outros indicadores de via aérea difícil.

• Na classe I de Mallampati todas as estruturas são visualizadas: os pilares amigdalianos, a úvula, o palato duro e palato mole.
• Na classe II são visualizados úvula, palatos duro e mole.
• Na classe III somente os palatos duro e mole são visualizados.
• Na classe IV somente o palato duro é visualizado.

Classificação de Mallampati

Os componentes do exame físico da via aérea incluem o comprimento dos dentes na arcada superior, a relação entre a arcada superior e inferior durante o fechamento mandibular normal, a relação entre a arcada superior e inferior durante a protrusão voluntária mandibular, a visibilidade da úvula, o formato do palato, a complacência do espaço mandibular, o comprimento e a espessura do pescoço e a amplitude de movimentos da cabeça e pescoço.

A própria avaliação pela classificação de Mallampati torna-se impossível, pois o exame é realizado com o paciente sentado e suficientemente consciente para colaborar projetando a língua toda para fora da boca.

Por isso, ao ser chamado para uma intubação de emergência o médico deve fazer uma avaliação geral do paciente em decúbito dorsal, observando, rapidamente, se há alguma possível alteração anatômica da boca e da região cervical, como:

• Tumores: Higroma Cístico, Hemangioma, Hematoma.
• Infecções: Abscesso submandibular, Abscesso peritonsilar, Epiglotite.
• Anormalidades Congênitas.
• Corpo Estranho.
• Trauma: Fratura de mandíbula e maxila, Queimadura por inalação, Lesão de coluna cervical.
• Obesidade.
• Extensão cervical inadequada: Artrite reumatoide, Espondilite Anquilosante.
• Variações Anatômicas: Micrognatia, Prognatismo, Língua grande, Palato arqueado, Pescoço curto, Incisivos superiores proeminentes.

REFERÊNCIA

Série Manuais Terzius. Manual do curso Acesso à Via Aérea na Emergência. Instituto Terzius, Campinas, Volume 2, 2018.

Comentários (2)

Adorei ler aprendi mais sob mallampati.

Que ótimo, Célia! Esperamos que possa aprender com os outros conteúdos disponíveis em nosso blog. Em caso de dúvidas, estamos à disposição.

Deixe um comentário

carrossel_06-complementar_02