Intubação Traqueal por laringoscopia direta

Intubação traqueal é um procedimento realizado rotineiramente no centro cirúrgico em pacientes submetidos a anestesia geral, porém não se limita ao centro cirúrgico, tendo indicações precisas na urgência/emergência e centros de terapia intensiva. As principais indicações de intubação traqueal segundo a American Thoracic Society são:

• Oxigenação inadequada com outros métodos (definida como SpO2 < 90% ou PaO2 < 55mmHg).
• Ventilação inadequada com outros métodos (PaCO2 em curva ascendente, acidose respiratória, alteração do estado de consciência (Escala de Coma de Glasgow < 8).
• Incapacidade de proteção das vias aéreas.

Laringoscopia direta

O Laringoscópio rígido é o instrumento utilizado para examinar a laringe e permitir a intubação endotraqueal. O cabo do laringoscópio contém baterias que alimentam o bulbo situado na ponta da lâmina. As lâminas dos tipos Macintosh e Miller, curva e reta respectivamente, são as mais populares. A escolha da lâmina depende da preferência pessoal do operador e da anatomia de cada paciente. O clínico deve se familiarizar com os diversos tipos de lâminas, já que não há lâmina perfeita para todas as situações.

A lâmina de Miller é a mais indicada para intubação dos lactentes, pois estes possuem epiglote mais longa e estreita e com este tipo de lâmina é feita elevação da epiglote por tração direta. Já no adulto, a preferência recai sobre a lâmina de Macintosh, cuja extremidade distal deve ser posicionada na valécula.

Em ambos os casos, a escolha do tamanho da lâmina é fundamental. Uma lâmina curta para determinado paciente pode não conseguir expor as estruturas de forma adequada. Uma lâmina longa pode comprometer o plano de visão do operador.

Série Manuais Terzius. Manual do curso Habilidades Médicas 1. Instituto Terzius, Campinas, Volume 2, 2020.

Deixe um comentário